Planos de Aula.


  • Minha Infância

Por Silvana Xavier.

Idade/Anos:  3-4 Anos de Idade.

Objetivos: Desenvolver valores como respeito amor, amizade, estimular a criança a se alto conhecer e trazer p/ a sala de aula um ambiente descontraído e animador.

Áreas do conhecimento / Conteúdos abordados: Linguagem oral, escrita, artes.

Metodologia/ Desenvolvimento: Através de uma roda de conversa, conhecer o que a criança gosta de fazer ( as brincadeiras, os desenhos, roupas e os brinquedos). Conhecer seus medos e as diferenças depois juntar toda informação e confeccionar murais com as coisas preferidas das crianças.

Recursos: Revistas, cola, tesouras,cartolina,jornais,tinta e papeis coloridos.

  • Composição de Música Aleatória.

Por Renata Salakovic.

Idade/Anos: 6°ao 9°Anos.

Objetivos: Conhecer a estética da produção musical moderna e contemporânea, ampliar o repertório e o conceito de música, desenvolver a autonomia para a composição musical.

Áreas do conhecimento / Conteúdos abordados:  Apreciação, reflexão e composição musical, procedimentos técnicos e estéticos da música de acaso de John Cage (1912-1992).

Metodologia/ Desenvolvimento:

1ª etapa
Pergunte aos alunos o que é música e peça que elaborem uma frase que sintetize o significado, contemplando os diversos estilos. Registre as definições e contraponha as frases mais restritivas com exemplos musicais a fim de propor reflexões reformuladas do conceito.

2ª etapa
Apresente à garotoada o compositor norte-americano John Cage e convide a turma a apreciar aSuite for Toy Piano e a Sonata V. Comente a estética das peças, como a peculiaridade do som do piano de brinquedo na suíte e do som do instrumento preparado com parafusos e pregadores na sonata. Ouça as impressões dos alunos. Em seguida, divida-os em grupos e instigue-os a explorar os sons inusitados que os instrumentos podem produzir, com o acréscimo de outros objetos ou se tocados de uma maneira não convencional. Socialize as descobertas.

3ª etapa
Apresente o conceito de acaso na música de John Cage com Imaginary Landscape Nº 4 (for 12 Radios). Ela é composta de 12 rádios ligados ao mesmo tempo, manipulados por 12 intérpretes e um maestro, com comandos de volume e de troca de estação definidos pelo compositor. Identifique os elementos de acaso e as infinitas possibilidades de sons que poderiam soar nos rádios no momento do concerto.

4ª etapa
Revele ao grupo a possibilidade de fazer o mesmo utilizando um jogo da memória e instrumentos musicais. Crie algumas sequências de sons curtas e defina uma carta para cada uma. Embaralhe as peças e convide um aluno para organizar as figuras em pares, respeitando a ordem em que aparecem. Proponha que toquem a música com base na sequência sorteada. Repita o procedimento para comparar os resultados.

5ª etapa
É hora de a turma criar as próprias sequências de sons para compor outras músicas. Deixe que todos escolham o procedimento de acaso, disponibilizando os outros jogos indicados. Por exemplo: o bingo pode ser utilizado para definir aspectos sonoros da criação. Com o sorteio de números pares, se escolhem uma nota aguda para acrescentar à melodia e, a cada ímpar, uma grave, ou vice-versa. Destaque a importância de registrar a sequência de sons para que no fim da criação as produções sejam apresentadas para a classe.

6ª etapa
Organize uma sessão de gravação das obras elaboradas na etapa anterior. Recomende aos estudantes que retomem os registros. Grave o material e disponibilize-o num blog.

Flexibilização: Para trabalhar a percepção musical, o ritmo e as noções de composição com alunos surdos vale aproveitar elementos visuais e a expressão corporal. Mesmo que não possa ouvir, o aluno com deficiência auditiva poderá, assim como os demais, significar a palavra música. Explique a ele o conceito de música aleatória e contextualize a obra de John Cage. Caso o aluno não consiga fazer a leitura orofacial, utilize esquemas escritos ou um intérprete de libras. Estimule que o aluno com surdez produza, junto dos colegas, ritmos com o próprio corpo ao longo dos jogos de memória, do bingo e das atividades de composição. Ele pode “batucar” partes do corpo, levantar-se para exprimir um som alto ou abaixar-se para ilustrar um som baixo, por exemplo. Enquanto o aluno produz esses ritmos, os colegas podem transferir as indicações corporais para instrumentos musicais. Uma alternativa é posicionar o aluno surdo próximo das caixas de som ou de instrumentos percussivos para que ele perceba as vibrações sonoras. Durante a gravação das composições da turma é importante que ele visualize as barras de áudio que aparecem na tela do computador, quando da utilização de softwares de gravação.

Tempo estimado: Oito aulas de 1 hora.

Material necessário: Computador, aparelho de som, músicas variadas, instrumentos musicais diversos, como flauta doce, xilofone, metalofone, escaleta, tambor, agogô, chocalho, e jogos, como dominó, roleta, bingo e dados. Obras Imaginary Landscape Nº 4 (for 12 Radios)Suite for Toy PianoSonata V, de John Cage.

Avaliação: Observe a expressividade e o engajamento da garotada durante a experimentação dos sons. Como cada aluno participou das várias etapas do processo de criação e da organização das ideias musicais e dos procedimentos de acaso? Reúna o grupo para a apreciação das obras gravadas e retome a questão inicial (o que é música?), comparando as respostas com as formuladas na primeira etapa. Por fim, peça que todos registrem suas impressões sobre a experiência de composição, adicionando comentários no blog.

  • Linguagem teatral na pré-escola.

Por Daniela Nonato.

Faixa etária: 4 e 5 anos.

Objetivos:  Desenvolver a linguagem não verbal, criar e explorar um repertório de gestos com intenção comunicativa, ampliar a consciência da utilização do espaço cênico, estabelecer relações com os colegas de cena explorando o próprio corpo e interagindo com o do outro.

Conteúdos: Linguagem corporal,linguagem teatral – cenário, personagem e ação dramática.

Tempo estimado: Quatro aulas.

Material necessário: Um espaço amplo.

Flexibilização:
Para que crianças com deficiência visual possam participar desta sequência, o primeiro passo é delimitar o espaço que será utilizado como palco com uma corda para que a ela saiba por onde pode atuar. Lembre-se de acrescentar uma regra básica: sempre propor a descrição da cena oralmente e a “leitura” do que assistiram – que pode ser feita pelas crianças e auxiliam o deficiente visual na compreensão da atividade coletiva. O mesmo vale para a apreciação de obras, figuras e outras imagens. Além de pedir às crianças que utilizem gestos, estimule também o uso da sonoplastia. Peça para que imitem os sons conhecidos como o latido de um cachorro ou a fala de um colega. Se as crianças precisarem apontar partes do corpo, aproxime-as do aluno cego para que ele também possa tocá-las. Vale, também, neste caso, substituir parte dos objetos imaginários que não possam ser aludidos pelo som, por objetos reais – como bater uma bola no chão, por exemplo. Avalie se a criança com deficiência conseguiu compreender a encenação dos colegas ao longo da roda de conversa. Na escolha da peça que será exibida às crianças, valorize os diálogos e sons. O ideal é que o aluno cego possa assistir, ao vivo, à encenação. Reforce as aprendizagens do aluno cego no atendimento educacional especial, no contraturno.

Desenvolvimento:

1ª etapa
Divida a classe em grupos e peça que cada um faça uma cena de quatro minutos usando apenas a linguagem corporal para comunicar onde estão, quem são e o que estão fazendo. Eles devem planejar o tamanho do lugar, os objetos imaginários a ser usados, o que farão com eles e como será a interação entre os participantes. Faça perguntas que levem todos a pensar em gestos que tenham um propósito comunicativo claro. Enquanto um grupo atua, os demais observam.

2ª etapa
Repare como são comunicados, em cena, o onde, o quem e o quê. Os integrantes do grupo estão atentos aos objetos imaginários dos colegas? Usam-nos? Se o fazem, respeitam as características definidas pelo parceiro? Inclua novos elementos. Exemplo: fale no ouvido de um dos participantes que um objeto mudou de peso ou que o ambiente mudou (“faltou luz”, “ficou frio”). Veja como lidam com a novidade. Fique atento às partes do corpo mais usadas pelos pequenos e desafie-os a seguir a cena sem mover as mãos, por exemplo. Após a apresentação de cada grupo, faça uma roda de conversa para que a plateia e quem encenou troquem percepções. Anote suas considerações.

3ª etapa
Depois que as crianças entenderam o onde, o quem e o quê, leve-as para assistir a uma peça e, caso não seja possível, veja uma apresentação em DVD. Depois, pergunte se elas conseguem identificar os três elementos. Nessa hora, sistematize o conhecimento e diga que o onde pode ser chamado de cenário, assim como o quem é o personagem e o que é a ação dramática que se desenvolve.

Avaliação:
Todos devem ser avaliados como participantes e como plateia – se a capacidade de comunicação não verbal foi ampliada, como reagiram às situações e aos desafios propostos e se integraram ao próprio repertório também o que foi desenvolvido pelos colegas. Para reforçar algum ponto específico, confira as anotações que você fez e a fala das crianças nas rodas de conversa e proponha um novo jogo com adaptações específicas para o aspecto que foi insatisfatório.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: